Juiz não precisa revisar preventiva a cada 90 dias se acusado está foragido, diz STJ

STJ revoga homologação de falta grave por crime cometido durante condicional
30 de março de 2022
Município deve indenizar homem atacado por cães de rua em terminal de ônibus
20 de abril de 2022

Juiz não precisa revisar preventiva a cada 90 dias se acusado está foragido, diz STJ

SEM CONSTRANGIMENTO

Juiz não deve revisar preventiva de foragido a cada 90 dias.

O juiz da causa não é obrigado a revisar, de ofício e a cada 90 dias, a necessidade de manter uma prisão preventiva se o acusado se encontrar foragido.

Com esse entendimento, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou provimento ao recurso em Habeas Corpus ajuizado por um réu por capitanear esquema de pirâmide financeira com uso de criptomoedas.

Ele teve a prisão preventiva decretada no momento do recebimento da denúncia, mas depois teve a liberdade provisória concedida. O Ministério Público de São Paulo conseguiu restabelecer a prisão após recurso, mas o réu nunca mais foi encontrado.

Ao STJ, a defesa pediu a revogação da ordem de custódia e apontou que o juiz que a decretou desrespeitou o artigo 316 do Código de Processo Civil, que obriga a revisão, de ofício e a cada 90 dias, dos motivos que embasaram a prisão. A norma foi introduzida no código pelo chamado pacote “anticrime” (Lei 13.964/2019).

Para o Tribunal de Justiça de São Paulo, a preventiva só deve ser reavaliada quando o acusado efetivamente estiver preso. Se ele estiver foragido, não é lógico que o magistrado reveja a decisão à luz de uma demora processual que não está implicando cerceamento estatal da liberdade do acusado.

Relator no STJ, o ministro Ribeiro Dantas apontou que uma interpretação literal do artigo 316 do CPP poderia dar razão à defesa. O texto diz que a revisão deve ser feita a cada 90 dias depois de a prisão ser “decretada”, não quando efetivamente cumprida.

Além disso, a simples existência de um mandado de prisão gera constrangimento, o qual, por sua vez, não pode ter duração indefinida.

No entanto, optou por uma interpretação que leva em conta o objetivo da lei e não a vontade do legislador. E esse objetivo é evitar o constrangimento de quem fica preso preventivamente, muito maior do que sobre quem paira a ameaça de prisão.

“De fato, não seria razoável ou proporcional obrigar todos os Juízos criminais do país a revisar, de ofício, a cada 90 dias, toda e qualquer prisão preventiva decretada e não cumprida, tendo em vista que, na prática, há réus que permanecem foragidos por anos”, disse.

Ele destacou que não é incomum, no Brasil, que alguém acusado de crime não compareça a juízo, tenha a prisão preventiva decretada, seja citado por edital, tenha o processo suspenso e permaneça foragido.

“De mais a mais, mesmo que se adote interpretação teleológica de viés subjetivo — relacionada ao fim da lei, tendo em vista suposta vontade ou motivação do legislador —, a finalidade da norma aqui discutida continuará a se referir apenas à evitação do constrangimento da efetiva prisão, e não ao que decorre de mera ameaça de prisão”, acrescentou o relator.

A votação na 5ª Turma foi unânime, conforme a posição do ministro Ribeiro Dantas.

RHC 153.528

Fonte: conjur.com.br

AFC Advogados e Associados
(14) 3621-5896 / 3624-3492
WhatsApp: (14) 9.9774-3281
Rua Paissandú, 853. Jaú/SP